16 de fevereiro de 2016

A ovelhinha preta - Educação Literária


Este livro encantador conta as aventuras de uma ovelhinha preta que salvou todo o rebanho numa tempestade de neve e deu ao pastor uma ideia brilhante.

A história aborda a questão da diferença e da sua rejeição, apela para uma sociedade mais tolerante, capaz de enriquecer através da multiculturidade. Está presente o conflito entre um cão e a ovelha. Os desenhos, a preto e branco, são eficazes na mensagem do texto, promovendo um momento de reflexão.












Feliz Natal Lobo Mau

“Feliz Natal Lobo Mau”






4 de fevereiro de 2016

Trabalho produzido por um aluno

A propósito do final do estudo de Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett, os alunos do 11º ano refletiram sobre a forma como as personagens resolvem a situação final da peça. O texto que se segue foi redigido pelo Tiago Carvalho do 11º C.

Fugir ou enfrentar?

           Na minha opinião, o pior seria enfrentar a sociedade pois é mais fácil fugir do que enfrentar. Viver em clausura dá-nos o privilégio de não ter de lidar com a opinião dos outros nem com as suas mentiras, problemas e complicações. É muito mais fácil, menos complicado. É menos doloroso estar sozinho do que sentir-se sozinho no meio de uma multidão.
Mas a clausura implica fugir, significa desistir. O quão longe pode ir a sociedade para nos fazer desistir? Tanto quanto sei, tudo o que é diferente incomoda o que é igual, o “igual” é aborrecido enquanto o “diferente” se destaca, marca o mundo. No mundo da música isso é bastante óbvio, artistas como Kurt Cobain que criou um novo estilo de rock, o grunge, marcou a história deste género. Robert Plant marcou a história da música tornando o rock popular. O que é que estes duas pessoas tinham em comum? Eram diferentes. Na altura, eram mal vistas pela sociedade, vistas como desordeiras. Todavia, não escolheram a saída mais fácil.  Decidiram enfrentar a sociedade e não viver enclausuradas, não fugir das dificuldades. Não deixaram a música e foi por isso que revolucionaram o mundo.
A história ensina-nos que as minorias devem sempre levantar-se e lutarem por aquilo que acreditam que está correto. Devem questionar a sociedade, nenhuma lei é absoluta, nenhuma lei está 100% correta, nenhuma ideia está absolutamente certa. É mais difícil enfrentar a sociedade? Sim é, mas são os que a enfrentam que marcam a diferença. Não são os que fogem, esses são fracos. Resta-nos uma escolha: fugir ou enfrentar?